Páginas

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Após confissão, Adriene pode ser processada por dívida de R$ 82 mil no hospital


Reconstituição caso Adriano - Adriene (Foto: Marcelo Baltar/Globoesporte.com)
Depois da confissão, a conta no 'pendura'. Nesta quarta-feira, Adriene Cirylo admitiu em depoimento na 16ª DP (Barra da Tijuca) que ela própria disparou acidentalmente na própria mão quando estava no carro de Adriano, na madrugada de sábado, quando o atacante do Corinthians deixava uma casa de shows na Zona Oeste do Rio. A estudante de 20 anos deu entrada no Barra D’Or no mesmo dia do incidente, ficou em quarto particular, foi submetida a uma cirurgia para reconstruir o dedo indicador da mão esquerda pelo renomado médico Ricardo Laranjeira e deixou uma dívida de R$ 82 mil – valor confirmado pela polícia - pendente no hospital.
Adriene, em companhia da sua advogada e dois inspetores da polícia, deixou o Barra D’Or nesta quarta-feira sem pagar a conta. O Globoesporte.com apurou que os setores financeiro e jurídico do hospital já agem para entrar com uma ação judicial para receber os R$ 82 mil de despesas que envolvem diárias no quarto (por dia R$ 1 mil), a cirurgia (R$ 25 mil), medicamentos, utilização do centro cirúrgico, entre outros gastos. Funcionários do hospital receberam recomendações para evitar declarações sobre a pendenga.
Por conta da delicada cirurgia, o mais recomendável seria que Adriene permanecesse no hospital por, pelo menos, mais um dia. Mas a alta aconteceu para que fosse realizada a acareação. Na hora da saída da baleada, começou o impasse para saber quem pagaria a conta. Um homem identificado como ex-marido de Adriene esteve no local, mas disse que a quitação não dependia dele.
Depois de conversas internas entre diversos setores do Barra D’Or, houve consenso de que dificultar a saída de Adriene ou adiar a alta para outro dia só faria aumentar a dívida. Por isso, ela foi liberada e, agora, o hospital pretende recorrer aos meios judiciais. Durante a internação, a jovem pediu que não fossem divulgados boletins médicos sobre seu estado de saúde e restringiu as visitas.
Desde o início das investigações, Adriano negava as acusações de Adriene, que no seu primeiro depoimento disse que o jogador teria disparado a arma. A princípio, o atacante se dispôs a pagar as despesas de internação. Mas desistiu da ideia depois de ter sido acusado pela estudante.
- Eu ia ajudar com as despesas do hospital. Mas aí vi que ela estava armando...Não vou pagar nada – afirmou Adriano, na segunda-feira.
Durante toda a quarta-feira, o caso teve prosseguimento até Adriene chorar, mudar seu depoimento e ter confessado que ela mesmo atirou contra a própria mão. Falta, agora, pagar a conta.

0 comentários: