Páginas

sábado, 17 de dezembro de 2011

Inundações já deixaram 180 mortos nas Filipinas


A passagem da tempestade tropical "Washi" pelas Filipinas deixou um rastro de destruição pelo país e já provocou, segundo último balanço divulgado pelas autoridades, 180 mortos afogados ou atingidos por deslizamentos de terra. Outras 260 pessoas estão desaparecidas, especialmente na região sul.
Moradores são resgatados por voluntários após inundação na cidade de Cagayan de Oro. (Foto: Erwin Mascarinas / AP Photo)
As equipes de resgate recuperaram 97 corpos na cidade de Cagayan de Oro. Outras 75 pessoas morreram em Iligan. Cinco foram encontradas mortas na província de Compostela Valley, mais duas na cidade de Polanco e uma em Damitan, todas elas na ilha de Mindanao.
O número de mortos, no entanto, não é definitivo, pois as autoridades acreditam que irão encontrar mais vítimas à medida que avancem as operações de resgate.
O Exército atua com 10 mil soldados e três helicópteros nas operações de resgate em Cagayan de Oro, enquanto uma segunda divisão faz o mesmo trabalho em Iligan. Além disso, navios da Marinha, da guarda-costeira e da frota pesqueira se coordenam para localizar as pessoas dadas por desaparecidas.
Rapaz vasculha na lama e por entre os escombros, à procura de desaparecidos. (Foto: Froilan Gallardo / AP Photo)
O chefe das Forças Armadas, o tenente-general Jessie Dellosa, disse que os soldados seguem em busca de mais vítimas em Cagayan de Oro.
Dezenas de milhares de pessoas buscaram refúgio em zonas mais altas de Mindanao. Cerca de 20 mil pessoas já estão em abrigos. A cidade de Cagayan de Oro amanheceu sem serviço elétrico.
O governo filipino declarou estado de calamidade apenas em Iligan, por enquanto.
A tempestade Washi, com ventos de 65 km/h e copiosas chuvas, mantém neste sábado seu curso através de Mindanao, a caminho do mar de Jolo, segundo o serviço meteorológico filipino.
Mais de 100 pessoas morreram nas Filipinas em setembro e outubro como consequência da passagem consecutiva dos tufões "Nesat" e "Nelgae" pela região norte do país.

0 comentários: