Páginas

domingo, 8 de janeiro de 2012

PM já prendeu 40 pessoas durante operação na Cracolândia


Paredes de prédio são demolidas na Cracolândia (Foto: Rafael Sampaio/G1)Paredes de prédio são demolidas na Cracolândia
(Foto: Rafael Sampaio/G1)
A Polícia Militar prendeu 40 pessoas na região da Cracolândia, no Centro de São Paulo, durante a Ação Integrada Centro Legal, realizada desde terça-feira (3), segundo balanço divulgado na manhã deste domingo (8). Até as 6h, 16 pessoas foram presas por delitos cometidos na região e 24 condenados foram capturados.
Segundo a PM, já foram realizadas 1.435 abordagens policiais, 359 abordagens sociais, um encaminhamento para albergues, oito para hospitais e seis encaminhamentos para porta de entrada dos serviços de saúde. Não houve encaminhamCentro de atendimento
Neste sábado (7), o prefeito Gilberto Kassab negou que a operação dependesse da inauguração de um centro de atendimento com capacidade para 1.200 usuários de drogas no Bom Retiro, prevista apenas para o final de janeiro.
"Você não pode aguardar o início de uma ação até que seja concluída uma outra ação. Se não, fica um círculo vicioso e nenhuma começa. O importante é que as coisas sejam integradas, que haja interlocução, convergência", disse o prefeito, durante vistoria das obras do espaço de convivência Complexo Prates. Kassab citou outras ações que já foram realizadas, como a abertura da tenda para o menor.
O prefeito também negou o fato de não ter sido avisado sobre o início da ação, e que ela estava prevista para começar apenas em fevereiro. "A palavra 'pego de surpresa' é inadequada. São ações distintas, diferentes, de instituições distintas. O que eu posso afirmar é que elas trabalham em conjunto. Não existe esse termo [pego de surpresa], até porque as ações são independentes", disse, lembrando que desde julho as discussões sobre as ações em conjunto vinham sendo realizadas.
Três fases
A PM diz que a ação na Cracolândia é dividida em três fases. A primeira será de atuação da polícia contra o tráfico de drogas em conjunto com uma operação de zeladoria da Prefeitura em casarões e ruas.
A PM estima que dentro de 30 dias após a prisão de traficantes e o restabelecimento da ordem na região se inicie a segunda fase, com a participação de assistentes sociais e agentes de saúde, que farão o encaminhamento dos dependentes químicos para albergues, Assistência Médica Ambulatorial (Amas) e, se preciso, internação para tratamento e reinserção social.
A terceira e última fase - considerada a mais difícil - é a de manutenção deste cenário, para que os dependentes possam se recuperar plenamente. A intensificação da Ação Centro Legal, iniciada há dois anos e meio, começou a ser planejada entre outubro e novembro de 2011, através de reuniões da PM com o governador Geraldo Alckmin, secretários estaduais, municipais e o prefeito Gilberto Kassab.ento para internação.
Em relação às ações de saúde, 363 abordagens de agentes foram realizadas, com 24 encaminhamentos para serviços de saúde e 24 internações.
Segundo a PM, o objetivo inicial é coibir o tráfico e depois abrir espaço para o trabalho de assistentes sociais. Ainda de acordo com a corporação, as ações na Cracolândia serão desenvolvidas de maneira permanente, "não havendo, assim, previsão para o término".

0 comentários: