Páginas

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Netflix abre as portas para a reprodução offline de vídeos


O Netflix parou de insistir que nunca vai permitir que seus assinantes façam download de vídeos para reprodução offline.

“Devemos manter a mente aberta sobre isso. Estivemos tão focados em clicar e assistir e na beleza e na simplicidade do streaming. Mas à medida que expandimos pelo mundo, onde vemos um conjunto desequilibrado de redes, é algo sobre o qual devemos manter a mente aberte”, afirmou o CEO da empresa, Reed Hastings.

Em dezembro de 2014, o porta-voz do Netflix, Cliff Edwards deu uma resposta muito diferente para uma pergunta sobre reprodução offline, dizendo que “nunca aconteceria”. Na época, o executivo disse que os downloads eram “uma solução pequena para um problema maior” de tornar o serviço de vídeo mais acessível via Wi-Fi.

Depois, após a rival Amazon começar a oferecer suporte para reprodução offline de vídeos no iOS e Android, o Netflix ofereceu uma explicação diferente: fazer os usuários lidar com downloads era apenas complicado demais. “Não será algo instantâneo, você precisará ter a quantidade de certa de espaço para armazenamento no seu aparelho, será preciso gerenciar esse conteúdo, e apenas não tenho certeza que as pessoas estejam dispostas a fazer isso, e que valha a pena fornecer esse nível de complexidade”, afirmou o diretor de produtos, Neil Hunt, em dezembro de 2015.

Por que isso importa

Apesar de os novos comentários de Hastings não significarem necessariamente que a reprodução offline esteja chegando ao Netflix, a mudança no tom com o assunto é perceptível à medida que a empresa quer expandir sua marca para mais países. E com a Amazon agora oferecendo assinaturas mensais da sua plataforma de streaming Prime Video, o Netflix tem motivos para se mexer.

0 comentários: