Páginas

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Você aceitaria conselhos de um robô?

futuro

Um robô, de acordo com o Dicionário Oxford, é "uma máquina capaz de realizar uma série complexa de ações automaticamente, em especial programadas por um computador”.

Embora não seja possível fazer uma associação imediata, pense sobre softwares fiscais amplamente utilizados no mercado hoje. Este software é tecnicamente uma máquina capaz de realizar ações complexas. Na verdade, é um robô.

Os robôs têm uma série de benefícios inimagináveis: precisão, automatização de tarefas de baixo valor e capacidade de gerar grandes volumes de dados. Parece ótimo, qual é o problema?

Um robô não tem a visão criativa – o elemento humano – para dar conselhos sábios.
Um robô faz o que é dito, e enquanto ele pode resolver alguns problemas graças aos avanços da inteligência artificial, não é – e não pode ser – uma entidade que reflete, tem autoconhecimento e empatia.

Pode-se dizer, independentemente do tipo de relacionamento que você tenha com a Siri, que os robôs não são conhecidos por suas habilidades interpessoais – enquanto eles podem processar números, não podem compreender e se relacionar em um nível pessoal para atender às necessidades e objetivos de seus clientes.

No entanto, o limite do tipo de trabalho que os robôs podem realizar está em constante expansão.

A ficção científica de apenas alguns anos atrás é o trabalho que agora está sendo feito em laboratórios ou mesmo em centros de testes beta. Carros que se movem sozinhos são uma realidade assustadora. Aplicativos de GPS cada vez mais intuitivos estão se tornando indispensáveis. Aplicativos comerciais que realmente conhecem seus gostos e preferências estão mudando completamente a experiência na hora de comprar. A linha entre o pensamento verdadeiramente criativo e o pensamento sintético é turva, e vai se tornar ainda mais turva.

A tecnologia está aqui para ficar, e seus avanços estão mudando radicalmente o panorama profissional. Muitas das tarefas atribuídas a um contador estão sendo interrompidas e substituídas por máquinas.

De acordo com um relatório da BBC, a probabilidade de que o trabalho de um contador se automatize é de 95%. Então, como será o futuro da contabilidade?
Existem quatro principais tendências que vão afetar significativamente o setor de impostos e contabilidade nos próximos cinco anos.

1. Estamos no meio de uma transição global para o software na nuvem, provocada pela necessidade de interconectividade e mobilidade. Este movimento para a nuvem, juntamente com o aumento da exigência por compliance, impulsionará o ciclo de adoção/substituição de tecnologia – que requer investimento inteligente, treinamento e alocação de recursos.

2. A evolução da tecnologia que automatiza as tarefas de conhecimento humano, tais como contabilidade e preparação de impostos, vai causar mudanças no mercado. Isto irá criar urgência – e oportunidades – para que os contadores e gerentes de impostos ofereçam conselhos, aconselhamento e outros serviços de alto valor.

3. Os governos de todo o mundo vão aplicar requisitos de conformidade e apresentação de relatórios cada vez mais estritos para combater a ambiguidade e o planejamento fiscal agressivo das empresas multinacionais. Isto irá criar a necessidade de software e serviços que possibilitem controle global, fluxo de trabalho e comunicação sem falhas com as empresas de contabilidade globais. A indústria também vai ver mais empresas médias adotando a tecnologia para facilitar o cumprimento das obrigações fiscais (vendas e uso da administração fiscal, faturação eletrónica, relatórios eletrônicos, administração de impostos sobre a propriedade, etc.)

4. As informações serão cada vez mais tratadas como uma mercadoria; haverá um aumento da demanda de análise de dados para gerar insights ou visão analítica a partir de grandes volumes de dados, assim como práticas de aconselhamento mais escaláveis. Os profissionais de impostos enfrentarão uma pressão orçamental cada vez maior para aumentar a receita de forma mais eficiente através de uma maior utilização de tecnologia e análise de dados para acessar informações processáveis, ​​em vez de dados brutos. 

O que faz um contador profissional neste contexto de mudanças profundas?
Devemos nos tornar cyborgs da contabilidade. Cyborgs? Não é o mesmo que ser um robô? Um cyborg é "uma pessoa cujas habilidades físicas vão além das limitações humanas normais por meio de elementos mecânicos”.

Entendido no contexto da indústria de impostos e contabilidade, um cyborg seria um profissional cujas habilidades melhoraram através do trabalho, não competindo, mas colaborando com a tecnologia.

E o que o "cyborg" da contabilidade do futuro representa?

Olhando para o futuro, há vários recursos que serão muito apreciados pelos profissionais de impostos em 2020, presentes em todas as disciplinas fiscais. Nos próximos cinco anos, profissionais de impostos em todos os setores e geografias vão exigir:

1. Aumento da mobilidade, sobretudo para facilitar o aconselhamento aos clientes quando eles estão fora do escritório.

2. Aumento da automação de tarefas administrativas que tomam muito tempo.
3. Tempo para atividades de alto valor.

4. Insight – e menos "ruído" (ou seja, a conteúdo que causa distração, de alto volume e baixo valor).

5. Conectividade global.

6. Plataformas de software integradas, completas e confiáveis

7. Compliance efetivo e produção de relatórios.

8. E ressonância com as novas gerações de clientes e funcionários familiarizados com a tecnologia.Esses profissionais devem ser capazes de mudar rapidamente a forma como realizam seu trabalho. Devem tomar medidas agora para antecipar o futuro.

H. G. Wells, famoso por escrever coisas como "The Time Machine", disse certa vez: "A história humana torna-se cada vez mais uma corrida entre a educação e a catástrofe”.
Acho que Wells calcula, com previsão incrível, a hélice cada vez mais rápida dos avanços tecnológicos e bem-estar profissional e comercial – e os consequentes riscos de não ser capaz de acompanhar esse ritmo.

Sua declaração ressoa em mim, porque fala para o mundo cada vez mais complexo e tecnológico em que vivemos – o mesmo mundo complexo em que nós, que fornecemos pessoal e gerenciamos equipes, criamos uma diferenciação de mercado e conduzimos um negócio de contabilidade sustentável e capaz de crescer.

Eu realmente pensei nisso quando eu estava na China, no Fórum Econômico Mundial. Fui convidado para ser líder da discussão em duas sessões, uma delas com foco em soluções de mapeamento para Emprego, Habilidades e Capital Humano.

Examinamos a diversidade de geografias e dados demográficos que os líderes de negócios enfrentam, especialmente à luz das mudanças dramáticas na tecnologia que ocorrem ao nosso redor.

Por exemplo, focamos no potencial de redundância de certos empregos – ou seja, a invasão de robôs...

a) 47% de todas as ocupações existentes correm o risco de se tornar posições redundantes

b) Em 2020, estima-se que haverá um excedente mundial de 90 milhões de trabalhadores pouco qualificados, e um déficit de 85 milhões de trabalhadores altamente qualificados – uma corrida entre a educação e a catástrofe!

c) Mais de 500 milhões de novos postos de trabalho deverão ser criados em 2020 para absorver os atuais desempregados e oferecer oportunidades para os jovens que entram no mercado de trabalho

Durante a próxima década, milhões de novos empregos que ainda não existem serão criados

As ramificações da forma como comercializamos, servimos e interagimos com os nossos clientes, potenciais clientes e com o público em geral são enormes.
Não é suficiente oferecer informação e dados – cada vez mais, profissionais de impostos serão obrigados a entregar INSIGHT. E nós vamos ter que ser criativos na forma como entregamos.

Então, qual é a chave para se tornar um cyborg e permanecer relevante em um mundo que se digitaliza exponencialmente?

1. Prepare-se para se atualizar regularmente, aceitar novas tecnologias e adotar o domínio das competências pessoais.

2. Aprenda a cultivar relacionamentos com clientes, colegas e órgãos reguladores.

3. Aprenda a identificar o fantasma na máquina – a história cheia de detalhes e insights escondidos em meio aos dados.

4. E aprenda a fazer com que a história tenha sentido para o público que quer impactar.
Não seja um robô. Essa posição já está ocupada.

*Brian Peccarelli é presidente, Tax & Accounting da Thomson Reuters.

0 comentários: